Ficção/ Conto – “O SUICÍDIO DE CRISTINA PARKER”- Boriska Petrovna

Desenterrar cadáveres nunca foi meu forte. Mas não havia como esquecer  de Cristina. Ela foi minha namorada. Só depois que a gente terminou que descobri que o que senti foi mesmo amor.
Então, alguém poderia perguntar, por que deixou ela partir? Não saberia por onde começar. Fiquei de mãos atadas. Mas ela cometeu suicídio. Não sei o motivo. Ela morreu. Desde o dia que tomei conhecimento deste fato, posso afirmar, que isso mudou minha vida. O céu que era azul ficou nublado.
Os dias de sol se tornaram chuvosos. O calor cedeu lugar ao frio. Todo dia anoitecia mais cedo. A noite ficava cada vez mais escura e nunca amanhecia. Até a comida perdeu o gosto. Não tinha mais apetite. Perdi o paladar, o olfato e o interesse em tudo que antes me entretia. Inclusive, parei de sair de casa. Não ligava mais a TV. Nem lia mais os jornais. Minha vida se tornou um deserto árido.
No consultório médico um homem vestido com um jaleco branco disse que tinha todos os sintomas da depressão. Passei a comprar remédios com a tarja preta.
Não tinha mais tesão pela vida. Um dia resolvi abrir a janela do meu quarto. O sol beijou minha face carinhosamente como um pai que após expressar seu sentimento pelo contato dos seus lábios com a rechonchuda bochecha infantil sussurra “te amo” que, por sua vez, ecoará por toda a vida durante a existência daquele pequeno ser humano.
Acho que foi mais ou menos isso que senti naquela manhã. Então, resgatei o “eu” que havia perdido dentro de mim. Foram mais de dez anos tentando encontrar uma saída do luto que me envolvia. Mas não pensava mais em Cristina. Aquela tragédia agora pertencia ao passado. Aos poucos fui voltando à rotina. Logo, afinal não sou de ferro, cai na balada.
Na época em que conheci Cristina isto, “balada”, significava música lenta. “Still Loving You” do Scorpions tocava na rádio. Nós a elegemos a nossa música.Então conheci uma garota, acabei beijando outra. Nada sério.
Foi em uma sexta-feira. Resolvi ir no Inferno Club na Augusta. Tudo estava tranqüilo. Estava em paz comigo mesmo. Já havia ficado com algumas meninas, havia me desencanado. Intimamente, confesso, me considerava disponível para um novo lance. Uma nova aventura sentimental … sei  lá. Enfim, nunca havia ficado tão feliz  quanto estava naquela noite agitada e eufórica.
Tomei uns drinks. Não tinha o hábito de beber muito. Mas acho que naquela  noite os efeitos me nocautearam.  Fiquei embriagado. Mas estava alegre. De alguma forma minha sensibilidade ficou mais aguçada. Pensei ter visto um vulto.  Tive a impressão de ter visto Cristina Parker. Fiquei intrigado. Lembrei que a curiosidade havia matado o gato, mas assim mesmo resolvi passar isso a limpo. Ela estava de costas. Dançava na pista. Me aproximei. Foi por instinto. O cara que aparentemente a acompanhava a chamou de Cris. Já não ouvia mais nada.
Literalmente entrei no túnel do tempo e dei de cara com a Cris que eu conheci. Isso na época que a gente namorou. A lembrança da morte gelou meu coração. Tive um flashback de tristeza que me tomou de assalto a alma.
O cara voltou do banheiro e logo os dois se dirigiram ao bar. Eles passaram de mãos dadas na minha frente. A certeza que faltava se confirmou. Era mesmo Cristina Parker. Senti um frio na espinha. Tive medo ao mesmo tempo em que fiquei fascinado. Sentimentos contraditórios. Fiquei confuso. Como aquilo poderia estar acontecendo?
Ela não havia morrido. Se estendesse minha mão pousaria em seu ombro. Ela estava, mais uma vez, de costas para mim. Foi quando pensei ouvir uma voz sussurrando, Mário, meu nome. Ela estava comentando algo sobre mim para aquele estranho. Senti um  pouco de ciúme. Quis puxá-la pelo braço e dizer qu ainda continuava a amando. Cris, por que você foi embora? Então, ela disse meio que enxugando as lágrimas que deveriam estar escorrendo pelo seu rosto, a voz embargada denunciava, disse que fazia muito tempo que não saía para a balada.
Ela citou mais uma vez meu nome: Mário Macambúzio.  Dessa vez foi em alto e bom som. Não haviam dúvidas. O cara que estava com ela sabia que eu era ou havia sido, pelo menos, alguém importante em sua vida. Para minha surpresa e espanto disse, lamentando, que era a primeira vez, após longos anos, que caía na balada depois que eu, fiquei perplexo, havia me suicidado.

Escrito por Boriska Petrovna https://www.amazon.com.br/MENINA-QUE-N%C3%83O-GOSTAVA-ROSA-ebook/dp/B07252QHTJ

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: