Crônica

Home » Crônicas

O Precipício da Intolerância

postado originalmente em http://www.pablomirans.com.br/blog/?p=626

Se alguma pessoa te faz sofrer lembre-se que ela pode estar sofrendo mais ainda e de uma forma conturbada pede socorro e anseia por uma palavra de compreensão. Mas a dor que a aflige é tamanha que não consegue expressar seu verdadeiro sentimento.

Moisés sempre sinalizou o caminho, mas nunca colocou os pés na Terra Prometida. Mas nem por isso perdeu a fé. A vida tem dessas coisas. Não é apenas uma mera lei da oferta e da procura. Isto é modo de produção econômica. A existência é mais subjetiva, introspectiva. O seu pensamento pode não alterar o mundo no qual vivemos , mas , lembre-se, há a possibilidade, de alterar o relacionamento com as pessoas que estão ao seu redor.

Algumas pessoas sentem a necessidade de abraçar uma causa que não lhes pertence por medo de um sentimento desconhecido. Pois isto implica em pensar algo a respeito. A reflexão pode levar a constatar o próprio erro. Mas, às vezes, o orgulho, mesquinho, não permite que a grandeza do ser humano se manifeste. Isto é uma nova perspectiva, uma nova visão, um ponto de vista, ainda não observado, do mito da caverna de Platão.

Platão

 Mas não haverá ninguém nem entidade ou divindade alguma que fará você seguir um determinado caminho. Porque nenhum diploma lhe explicará o sentido da vida. Esta decisão será sua. Por isso é fácil apontar o dedo e acusar aquele que é diferente. Difícil é se por no lugar do outro e tentar entender porque age daquele jeito estúpido. Às vezes podemos concluir que não havia estupidez naquele gesto, naquela palavra, naquela manifestação. Mas simplesmente a intolerância cegava a sua razão, a ponto de se iludir que existe um só caminho, um só sonho.

 

 Somos muitos e temos que respeitar o próximo, mesmo que levante uma mão tente nos agredir da forma mais desumana e vil. Nunca poderei alcançar a imagem criada pela expectativa de sua ilusão. Não é porque existe fraqueza que aquele que se julga mais forte tem que destilar o veneno de sua maldade para praticar sua covardia. Mas existe outra possibilidade, que pode ser o perdão. Mas para que isso aconteça o espírito tem que ser desarmado. Não se precipite diante do precipício.

Escrito por Carlos Pompeu

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: