Ficção – “Noite no Cemitério”

(Noite no Cemitério  é o segundo capítulo de “NYX – A MAGIA DA NOITE” . A resposta de Carlos Pompeu para “Crepúsculo” e outras histórias sobre vampiros).

 

Apesar da idade avançada, seu Lindolfo, ainda podia se orgulhar de trabalhar como guarda de segurança. Trabalhava no período noturno. Não era de dormir no serviço. Mas às vezes cochilava. Tudo era muito tranquilo. Talvez fosse melhor dizer silencioso. Mas não tanto. Porque era sempre acompanhado por um radinho de pilha. O locutor mencionou o nome de Bernardo Belisário, um investidor.

O cara devia ter grana. Mas não prestou atenção. Nem chegou a abrir o olho. A descontração não combinava com o cargo que ocupava. Onde já se viu um vigia noturno dormindo no serviço. Mas os cabelos grisalhos e o aspecto frágil daquele homem insinuava que não estava ocupando o cargo certo.

Porém, talvez fosse o ambiente de trabalho. Não era um banco. Mas um cemitério. Então , não precisava ser forte para tomar conta de um lugar que só tem defunto. Talvez por isso trabalhasse ali. No entanto, a noite não era tão tranquila assim. Apesar de que próximo a guarita poderia se ouvir, em alto e bom som, os roncos daquele velho fardado.

Havia um grupo de jovens perambulando entre os túmulos. Eles pularam o muro de trás do cemitério e agora caminhavam entre os mortos. Estavam agitados. Eram ladrões de túmulos. Mas parecem que eram novos no ramo. A especialidade da rapaziada era arte sacra. Costumavam a assaltar igrejas.

Mas parece que na última tentativa não tiveram a sorte que sempre os acompanhavam. Por isso estavam agitados.

                                 _Você viu aquela coisa?

Era meia noite e tinha lua cheia. Ninguém queria falar, talvez por medo de que pudesse ser verdade. Mas ninguém acreditava em lobisomem. Não tinha nada a ver. Entretanto, haviam sido atacados quando saíam da igreja carregando os objetos furtados. Só poderia ter sido coincidência.

 

                                _ Cara, foi algo muito estranho! Sinistro!

 

Não agradava a nenhum deles a lembrança daquela noite. Além do mais, gerou prejuízo. Isto porque os objetos foram perdidos. Ficaram tão assustados que só se preocuparam em fugir. No rosto uma expressão de terror. Correram e correram muito.

Depois como é que explicariam isso. O receptador, que era o mesmo que encomendava as peças e depois deveria revender. Mas isto era uma suposição. Sabiam que ele indicava o local e pagava na entrega da coisa furtada. Era isso que sabiam. Como poderiam falar que naquela noite foram atacados por um lobisomem quando saíam da igreja?

Ele iria pensar que estivessem bêbados. Só que de fato eles estavam bêbados. Sumiram da área. O receptador não gostou deste sumiço. Antes não ficasse sabendo o motivo. Mas justamente por não saber o motivo é que dispensou a rapaziada. Eles ficaram sem o emprego. Se é que podemos chamar esta atividade de emprego. Era crime mesmo.

Mas eram especialistas no assunto. Não que fossem religiosos , mas entendiam de santos. Principalmente de imagens. Não tinham a capacidade de localizar a igreja que teria algo de valor. Mas estando lá dentro sabiam do que se tratava. Isto lhes dava segurança. Tornaram-se confiantes. Especializaram no assunto. Por outro lado se acomodaram. Não diversificaram sua ação.

Então, quando ocorreu o acontecido e não puderam dar continuidade na sua relação comercial ficaram meio que sem rumo. Além deste detalhe servir para ocultar o medo que se instalou de reencontrar com aquela coisa assustadora. Eles não gostavam nem de pensar no assunto.

                                 _Você tomou a vacina contra raiva?

Um deles se virou e perguntou, baixinho, para um dos comparsas. Na verdade, aquela pergunta queria era camuflar uma verdade. Assim, tirariam o foco do lobisomem e passavam a tratar a coisa que os atacou como se fosse um cachorro louco. Um cão babando de raiva. Antes fosse. Queriam pensar assim.

O silêncio da noite era quebrado por seus passos e pelos cochichos que trocavam entre si. Ninguém sabe ao certo qual deles foi que teve a idéia de continuar no jogo. Mas um deles percebeu que assaltar um túmulo era mais seguro do que correr o risco de invadir uma igreja e na saída ser surpreendido por um ataque como aquele que tinham sofrido.

Aparentemente, quando saíram deram de cara com um sujeito bem vestido. O cara estava de terno. Era algo que não podia estar acontecendo. Quem estaria vestido daquela forma naquela hora da noite? Bom, na hora não deu para tirar conclusões precipitadas. Tinham feito o limpa. Não quer dizer que levaram tudo. Mas só o essencial. Saíram em disparada. Talvez não fossem tão profissionais assim.

Eram afoitos. Então, praticamente, esbarraram neste cara misterioso que estava de terno. Atropelaram o cara. Não tinham a intenção de espancá-lo. Mas quem falou em dar porrada? Não teve nada disso. Foi uma coisa rápida. De repente, do nada, surgiu saindo do meio da escuridão um vulto. Ninguém gostava de lembrar de uma coisa dessas.

Então, resolveram roubar os mortos. Algo dizia que eles não iriam reagir. Na guarita, o vigia não estava preocupando com isso. Deveria estar sonhando. O vento soprou fazendo as folhas secas levantarem-se do chão. Em uma das várias lápides poderia se ler “Descanse Em Paz”.

Mas, nenhum deles tinha paz de espírito. Para aumentar o desconforto não queriam que a lembrança daquela noite voltasse a causar calafrios. Por isso não mencionavam nada. Não diziam uma palavra sequer. No máximo, sussurravam um com outro. Mas tentando desviar do assunto. Mas aquilo estava dentro da cabeça deles. Seria mais fácil e recomendável verbalizar este medo do que mantê-lo preso na sua memória. Isto os deixava ainda mais angustiados.

                               _Quem é que está com o pé de cabra?

Ninguém se importou em ler o que estava escrito na lápide, muito menos demonstraram interesse em saber o nome do defunto que em breve iriam roubar. Era um jázigo que deveria ser de uma família rica. Havia uma estátua com um anjo de asas. Estava desgastada pelo tempo. Mas demonstrava que poderia ter sido enterrada ali alguma madame de classe alta e com muitos recursos que poderia ter passado desta para melhor acompanhada de suas jóias. Tinha uma certa lógica.

Isto se fizessem um paralelo com os faraós egípcios. Só se for assim. Mas também poderia ser uma obturação de ouro. Um anel ou quem sabe uma aliança. Enfim, deveria ter alguma coisa de valor.

 

Chegaram a tirar um caixão do lugar. Estavam nervosos. Um deles pegou uma marreta e começou a bater. A intenção era abrir aquela caixa grande. Tinham levado uma maçarico, mas a tensão fez com que tentassem abri-lo de uma maneira mais brutal. O barulho que faziam não incomodava ninguém. Na guarita, o vigia roncava e o radinho de pilha tocava uma música.

Mesmo assim um deles sentiu-se incomodado. Pediu para o mano que estava com a marreta para que parasse. Ele não ouviu da primeira vez e continuou com o ritmo forte das batidas. Na segunda vez ele gritou. A marreta parece que tinha vida própria e aquele que a usava parecia ser um instrumento.

Por fim, aquele que se sentia incomodado apelou. Ficou com raiva e esta parece que havia sido transmitida para os outros que também queriam que parasse de martelar o caixão. Não havia motivo, mas se tivesse como observar os rostos deles poderíamos perceber que estavam transtornados. Era como se estivessem que se deparar com uma situação que não gostariam de vivenciar. Eles suavam.

Então, as marretadas pararam. O cara que a segurava estava ofegante. Alguém gritou de novo. Outros gritos foram ouvidos. Estavam descontrolados. Era uma tentativa de comunicação. Mas não conseguiam. Trocaram tapas e socos. Até que conseguiram acalmar. Entenda-se por isso o fato de ficarem em silêncio. Mesmo assim, não conseguiram este intento.

Entreolharam-se. Para ter a certeza de que nenhum deles estava fazendo alguma coisa além de estarem quietos. Concluíram , apesar do clima tenso, que algo estava destoando. Não era mais as marretadas. Era um outro tipo de som. Parecia uma pancada. Apesar do silêncio que era quebrado pelo barulho do vento conseguiram escutar um outro tipo de som.

Um deles colocou o dedo indicador sobre a boca como se pedisse silêncio. Ele se entreolharam e puderam identificar um zumbido. Era uma música distante que provavelmente estava sendo emitida pelo rádio. Quanto a isso, depois de alguns segundos, deu para identificar. Mas aquela vibração de uma pancada abafada continuava. Eles não queriam acreditar. O som vinha de dentro de um caixão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: