Arquivos de Categoria: Tecno Ficção

“Sociedade dos Ciborgues – O Mundo Pós Humano” de Carlos Pompeu – Epílogo

  Após o confronto com os robóticos e seus tentáculos, Max Melvedeck, fica desacordado.  Quando recobra os sentidos fica sabendo que foi salvo por um grupo formado por ciborgues e seres sintéticos rebeldes. Detalhe, este grupo não tem mais consciência do que é um ser humano. A inteligência artificial representada pela BIOTECH havia deletado a …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues” de Boris de Pedra – Episódio X “O Ciborgue Rebelde”

 Max não tinha o conhecimento de que era um produto da BIOTECH, assim como sua cyberleg. Também não tinha noção do que estava acontecendo. Afinal, o seu acidente havia acontecido no passado, em algum lugar do distante, e já inexistente, século XX. No entanto, ficou em coma por muito tempo. Durante este hiato muita coisa …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues” de Boris de Pedra – Episódio IX “O Sumiço de Sú”

IX Depois de algum tempo quando todos se esquecem de Susana, Max se envolve com Synthia e, devido à isso, não acredita no que, realmente, está acontecendo. Mas, talvez por causa de um curto circuito, desperta de sua ingenuidade. Então, a ficha caiu. Há algo de errado no laboratório do seu neurocientista predileto. A partir …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues” de Boris de Pedra – Episódio VIII – “Nada É o Que Parece Ser”

VIII Max Melvedeck era uma boa pessoa. Um cara humano, prestativo, sempre disposto a ajudar o próximo. Todos gostavam dele. Era o típico boa praça. Não havia nada que o desabonasse. Tão pouco alimentava rancores ou pensamentos negativos. Max praticava esportes radicais. Sendo o montanhismo sua especialidade. Inclusive, prestava serviços, como parte de uma equipe …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues” de Carlos Pompeu – “A Inteligência Artificial”

  _ Qual é seu conceito sobre inteligência artificial? Sidônio Silício sapecou a pergunta. Talvez seu interlocutor, Milton Bilderberg, tivesse sido surpreendido com a mudança de rumo da prosa. Abandonou o código vocabulário acadêmico por uma comunicação mais direta, portanto coloquial. Esta atitude inesperada desarmou o espírito daquele que ouvia.  Antes que pudesse se recompor …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues – O Mundo Pós Humano” VI- “Brincando de Deus”

VI   O rosto da Senhorita Sullivan era o próprio retrato da apreensão. Se olhasse no espelho veria refletido toda sua angústia e o medo diante daquela situação. Max havia sido induzido ao coma. Ela tinha que fazer alguma coisa. Seria capaz de qualquer coisa por mais um sopro de vida. As palavras do Doutor …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues – O Mundo Pós Humano” de Carlos Pompeu

V   O Doutor Silício disse a Senhorita Sullivan, sua assistente, que ainda existia uma chance para Max. Aquilo a despertou das trevas a qual estava imersa. Um sorriso ensaiou surgir em seu rosto. O Doutor Silício adiantou que poderia  não dar certo, mas que era a única esperança para manter Max vivo.   Diante …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues – O Mundo Pós Humano” de Boris de Pedra

IV Susana Sullivan estava aflita. Abatida. Consternada. O homem que amava, Max Melvedeck, estava agonizando. Ela não podia fazer nada. Estava de mãos atadas. Só restava chorar. Ele, Max, estava deitado em uma cama sob lençóis brancos em uma UTI. Tubos e aparelhos ligados a fios o mantinham vivo. Mas para isso precisava ficar entubado. …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues” de Carlos Pompeu (Tempo Passado. Em algum lugar do século XX)

III (Tempo Passado. Em algum lugar do século XX.)   Os três adolescentes tinham desaparecido. A última notícia dizia que haviam adentrado à reserva ecológica para praticar o montanhismo. Tudo indicava que não houvera planejamento algum. Era o puro sabor da aventura. Talvez fosse isso que tivesse passado pela cabeça de cada um deles. Será …

Continuar lendo

“Sociedade dos Ciborgues – O Mundo Pós Humano” de Carlos Pompeu

SOCIEDADE DOS CIBORGUES Prólogo Ainda faltava alguns minutos para a meia noite de 25 de junho de 2037.Esta data já não era mais válida, mas ainda utilizada pelo que havia sobrado dos seres humanos. Ou ao menos o que restou da lembrança do que teriam sido. A vida orgânica como a conhecíamos no início do …

Continuar lendo